Loading...

domingo, 22 de abril de 2012

Condromalácia Patelar

O termo condromalácia patelar é utilizado para definir a doença degenerativa que acomete a cartilagem da patela (antigamente denominada rótula) e que está localizada na articulação do joelho.

SINTOMAS:

1.DOR na região anterior do joelho, patelo-femoral (atrás da patela) ao subir e descer escadas ou mesmo ladeiras, aos exercícios físicos, ao levantar de uma cadeira, ao agachar-se e até mesmo ao manter o joelho flexionado por períodos prolongados;

2.CREPITAÇÃO E ESTALIDOS atrás da patela ao flexionar e extender o joelho, por vezes audíveis;

3.EDEMA E DERRAME ARTICULAR que são ocasionados pelo acúmulo excessivo de líquido sinovial formado no processo inflamatório.


CAUSAS:

As causas da condromalácia envolvem alterações de alinhamento da patela, que excursiona fora do local adequado, ocasionando atrito entre sua superfície articular e a superfície articular do fêmur, desse modo provocando “desgaste”.

Tais alterações de alinhamento muitas vezes estão relacionadas à desequilíbrios da musculatura do quadríceps como atrofias, hipotrofias e encurtamentos musculares além é claro de variações anatômicas tanto do fêmur como da patela Também estão correlacionados microtraumatismos de repetição, bastante comuns em esportes de impacto como o futebol, vôlei, basquete, entre outros. Deve ainda ser citada a chamada causa idiopática, quando não são identificadas alterações anatômicas que justifiquem o desenvolvimento da doença.

CLASSIFICAÇÃO

É utilizada uma classificação que divide em 4 (quatro) diferentes graus da lesão (Outerbridge):

GRAU I : amolecimento da cartilagem (mais leve)

GRAU II : fragmentação e fissura da cartilagem em uma área menor ou igual à aproximadamente 1,5 cm (1/2 inch)

GRAU III: fragmentação e fissura da cartilagem em uma área maior ou igual à aproximadamente 1,5 cm (1/2 inch)

GRAU IV: erosão da cartilagem com exposição do osso subcondral (mais grave)

DIAGNÓSTICO:

O diagnóstico da condromalácia é feito basicamente pelo exame clínico, podendo ser utilizados exames de imagem como Radiografias,Tomografia Computadorizada e Ressonância Nuclear Magnética para orientação quanto ao tipo de tratamento a ser instituído.

TRATAMENTO:

O tratamento deverá ser direcionado às causas, sendo baseado principalmente em reequilibrar o alinhamento da patela, inicialmente através de tratamento fisioterápico por meio de exercícios isométricos e alongamento muscular, devendo também ser associados métodos analgésicos e antiinflamatórios. Atualmente é comum a utlização de medicamentos denominados condroprotetores, além da viscossuplementação intra-articular (que atuam na cartilagem articular).Em casos graves muitas vezes é necessário tratamento cirúrgico, em que procedimentos combinados para tratamento do alinhamento patelar e tratamento da lesão da cartilagem podem ser realizados por via “aberta”, artroscópica (vídeo) ou mesmo combinada.




Um abraço a todos

Denis



quinta-feira, 12 de abril de 2012

A Fisioterapia no Boxe - Entrevista ao Córner do Leão


A fisioterapia é uma das ciências mais utéis na vida de um atleta, seja na prevenção de lesões ou no tratamento delas. O Fisioterapeuta Dr. Denis Corrêa graduado em Fisioterapia e Educação Física, Pós-Graduado em Fisioterapia Aplicada à Ortopedia (UNIFESP-EPM) fala do tratamento destinado aos atletas, em específico boxeadores, ao Córner do Leão.

Sobre o que foi sua dissertação na pós-graduação na UNIFESP-EPM ?

Em minha dissertação de pós graduação, desenvolvi um protocolo de tratamento fisioterapêutico para pacientes com diagnóstico médico de artrite de joelhos.

Qual a diferença do trabalho do fisioterapeuta voltado para o atleta em relação à população comum ou que pratica esportes ocasionalmente?

Atualmente existem protocolos de tratamento para as mais diversas lesões ortopédicas, porém há sempre uma diferença quando pensamos em reabilitar um atleta ou uma pessoa comum. Essa diferença se deve por alguns motivos, que vão desde um metabolismo que trabalha de maneira acelerada, músculos com grande capacidade de oxidação, melhor preparo físico que auxilia no retorno precoce ao esporte e por fim bons hábitos de vida também colaboram para o andamento do tratamento.

Em um processo de reabilitação para atletas, devemos pensar que o grau de exigência é sempre superior a qualquer outra pessoa, alem do que, não devemos nos esquecer que o gesto desportivo deve estar sempre presente nas condutas de tratamento.

Existe algum trabalho específico para praticantes de boxe?

Pensando no boxe, um trabalho específico que costumo aplicar é o Treinamento Funcional, sendo uma técnica cujo os exercícios apresentam elevado grau de dificuldade e que por vezes possui como resistência a própria gravidade. Visa fortalecer músculos profundos do tronco e dos membros, além de sua grande importância na estabilização das articulações. Este tipo de treinamento é intenso e com excessivo gasto calórico para aqueles que o praticam. É facilmente notada a melhora de suas valências físicas, melhora do rendimento desportivo aliado a uma redução significativa de lesões.

Quais áreas eles costumam lesionar mais?

Por se tratar de um esporte de contato e com inúmeros gestos repetitivos, existe uma grande prevalência de lesões traumáticas e lesões por esforço repetitivo (LER).

Dentre as principais estão: Tendinites, Bursites, Entorses, Lesões Musculares, Lesão em ATM (articulação têmporo-mandibular), Síndrome do Impacto no Ombro, Fraturas (metacarpos, escafóide e clavícula) e Contusões na região do tronco.

Devemos lembrar que algumas dessas fraturas/lesões podem se instalar por uma aplicação incorreta da técnica, seja em treinamento ou no ato da luta.

Após a aposentadoria muitos carregam lesões de lutas e treinos do passado. Qual a melhor forma de lidar com eles?

A melhor forma de lidar com estas alterações é trabalhar o corpo como um “todo”, dar a este indivíduo um bom padrão de força muscular, flexibilidade e manutenção de sua capacidade física.

Pelo ponto de vista do fisioterapeuta há algum exame à ser feito antes dos combates?

O exame que pode ser aplicado pelo fisioterapeuta antes do combate, é o Exame Físico, onde através de aspectos como a inspeção, palpação de estruturas anatômicas, teste de força muscular e amplitude de movimento, vão determinar a condição física deste atleta para a luta.

Em caso de lesões agudas/crônicas que este atleta venha a possuir, esta será uma forma eficaz  de quantificar sua melhora.


Gostaria de agradecer ao jornalista Gabriel Leão pela confiança depositada e oportunidade de falarmos da importância da fisioterapia no "mundo" do boxe.

Para conhecer mais do trabalho de Gabriel Leão e saber das últimas notícias do boxe... acessem: http://www.cornerdoleao.blogspot.com.br/

sexta-feira, 6 de abril de 2012

Treinamento Físico Infanto-Juvenil

  Atualmente crianças/adolescentes adotam uma alimentação totalmente inadequada, que por vezes é hipercalórica e rica em gordura, aliado ao fato de que não “queimam” de maneira eficaz essas calorias extras, pois atualmente a Internet e outras ferramentas tecnológicas inibem a prática de uma atividade física regular, resultando em uma alteração fisiológica chamada Obesidade Infantil, que cresce acentuadamente a cada ano.
Pensando principalmente neste público, se torna crescente a procura por profissionais que saibam trabalhar neste segmento, o atendimento personalizado vem recebendo uma grande demanda de alunos, numa faixa etária compreendida dos 10 aos 15 anos e que buscam uma redução de peso corporal.

  Este abordagem atinge diversos objetivos, dentre os principais podemos citar: Melhora da Coordenação Motora, Melhora do Equilíbrio, Melhora das Habilidades Psicomotoras, Redução de Gordura Corporal, Socialização, entre outros.
   
    Para que este trabalho se torne eficiente, é importante que o professor saiba lidar com as diferenças de cada criança além de respeitar os limites de um corpo que se encontra numa fase de maturação.
  Segue abaixo alguns aspectos importantes para que este treino obtenha sucesso:

  • Propor uma atividade dinâmica
  • Direcionar para o esporte que a criança mais se identifique
  • Trabalhar a ludicidade
  • Exercícios em circuito
  • Estimular a competitividade (sem excesso)


“O que fazemos ao nosso corpo HOJE, certamente colhemos os frutos no AMANHÔ

Um abraço

 Denis